O que é Bioeconomia? Entenda esse modelo de negócio

bioeconomia-blog

Como já se sabe, a necessidade de um mundo sustentável bateu à porta e a única saída é a adaptação aos novos acontecimentos. O surgimento da Bioeconomia é um deles. A Bioeconomia é um modelo de negócio de produção industrial baseado no uso de recursos biológicos. O objetivo é oferecer soluções para a sustentabilidade dos sistemas de produção e, ainda, trabalhar a reciclagem e reuso de materiais recicláveis.

Está positivamente ligada a melhoria do desenvolvimento na busca por novas tecnologias de alcance global que permitem como que produtos, materiais e até alguns serviços deixem de ser nocivos ao meio ambiente.

No Brasil o termo é relativamente novo, mas na ciência não. Na verdade, a bioeconomia já acontece no país desde a década de 70, quando foi criado o Programa Nacional do Álcool (Proálcool). Graças a essa iniciativa, que surgiu para enfrentar a crise mundial do petróleo na época, o Brasil é hoje o segundo maior produtor mundial de etanol e o maior exportador.

Já no mundo científico, o conceito surgiu há meio século. O economista romeno Nicholas Georgescu-Roegen englobou nas ciências econômicas os princípios da biofísica. Na visão de Roegen, o processo de produção de bens materiais diminui a disponibilidade de energia para o futuro e, consequentemente, afeta a possibilidade de as novas gerações produzir mais bens materiais.

A principal diferença da bioeconomia atual em relação à do passado é o uso intensivo de novos conhecimentos científicos e tecnológicos gerados a partir de áreas de ponta, como a biotecnologia industrial, genômica, biologia sintética, bioinformática, química de renováveis, robótica, tecnologias de informação, nanotecnologia, entre outras. Vale destacar também que o potencial da bioeconomia não se restringe à produção de bioenergia.

Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), a bioeconomia movimenta no mercado mundial cerca de 2 trilhões de euros e gera cerca de 22 milhões de empregos.

No Brasil, um país mega biodiversificado – dono da maior biodiversidade de fauna e flora do planeta-, a bioeconomia tem potencial para utilizar e aprimorar toda a multifuncionalidade da agricultura e produção de bens naturais em prol da indústria de alimentos, fibra, energia, prestação de serviços ambientais e ecossistêmicos, química verde e novos insumos.

As soluções inovadoras da bioeconomia, em especial aquelas provenientes do uso da biotecnologia industrial, oferecem uma contribuição vital na transição das atuais práticas econômicas não-sustentáveis, para sistemas industriais renováveis – a economia circular (já falamos dela aqui) e de base biológica – aliando inovação e sustentabilidade para a solução dos principais desafios globais, como aqueles da Agenda 30 da ONU. Por esse e muitos outros motivos, investir em um um modelo econômico baseado no uso sustentável de recursos naturais é primordial e pode ser uma saída para grandes empresas, fábricas e indústrias.

Fontes: EMBRAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
ecycle.com.br
FIESP