Webinar da ABRE discute soluções para desperdício de alimentos; e traz Eduardo Van Roost, da RES Brasil, como um dos palestrantes

webinarr

A Associação Brasileira de Embalagem (ABRE) realizou na última terça-feira, 7 de julho, o webinar “Painel ABRE Save Food”, com palestras online para falar sobre os desafios e os avanços no combate ao desperdício de alimentos no Brasil. A ideia desse webinar foi discutir e propor soluções que podem ser adotadas e aplicadas desde o produtor até o consumidor final para que seja possível diminuir perdas de alimentos, que, segundo a ONU, atingem 30% de toda a comida produzida no mundo.

Quem participou desse painel, dentre oito profissionais do meio, foi o Eduardo Van Roost, superintendente da RES Brasil. Ele falou um pouco sobre os principais produtos desenvolvidos para embalagens tecnológicas que ajudam a brecar o desperdício alimentício.

Para fabricação de embalagens plásticas que trabalham na longevidade do alimento, Eduardo apresentou os chamados superplásticos. A família d2p™, que possui um leque de aditivos com diferentes funções para o mesmo propósito.

O primeiro citado, foi o d2p™EA – adsorvedor de etileno. Como Eduardo apresentou, alguns vegetais são bastante sensíveis ao gás etileno e quando esse aditivo é incorporado de forma correta na produção da embalagem plástica, ele impede que esse gás acelere o apodrecimento dos vegetais climatéricos embalados, preservando o frescor de uma fruta ou legume por muito mais tempo. Isso ajuda a diminuir o desperdício. Uma banana, por exemplo, pode durar até 10 vezes mais.

Outro aditivo citado por Eduardo, é o d2p™OS – oxygen scavenger. Este produto reduz a oxidação de vitaminas A, C e E e reduz também a presença de oxigênio, o que ajuda a prolongar a durabilidade do conteúdo embalado.

E por fim, Eduardo citou o aditivo d2p™AM – antimicrobial. Um produto que faz muito mais do que combater bactérias. Ele também combate fungos, bolor, mofo, algas. Sua eficácia é de 99,99%.
O uso de embalagens com o antimicrobiano reduz a necessidade de conservantes, o que aumenta a vida útil dos alimentos.
A RES Brasil lançou o tema “Saúde Circular”, já que com esse aditivo, além de combater perdas dos alimentos e redução de uso de conservantes artificiais, ele age na proteção de todos os envolvidos que manuseiam a embalagem. Da produção do material, distribuição, uso e até ao consumidor final e descarte – alcançando até quem coleta e a reciclagem, o antimicrobiano reduz o risco de contaminação cruzada por doenças entre as pessoas.

Eduardo Van Roost finalizou o bate-papo contando que estudos estão sendo feitos para saber a eficácia desse produto contra o novo coronavírus (COVID-19). Já são esperados os relatórios sobre essa inovação tecnologia e toda a aprovação é feita de acordo com as normas vigentes.

Todos os três aditivos e tecnologias são aprovadas para contato com alimentos pela ANVISA, União Européia e cumprem todas as regulamentações necessárias. Além disso, estes tipos de embalagens plásticas são recicláveis,e a sua produção não requer mudanças em processos, máquinas já existentes, nem treinamento específico de mão de obra.

Dentre as 9 palestras realizadas, o Painel ABRE apresentou que o mercado tem algumas opções para a conservação e não desperdício de alimentos. Basta saber qual utilizar para o seu propósito, já que a proteção para evitar essas perdas precisa ser uma atitude urgente, o que pode ajudar também no combate à fome.

Confira a palestra completa do Eduardo Van Roost:

Clique aqui e acesse todo conteúdo apresentado