Fabricante de derivados de pão e derivados de farinha biodegradará embalagens plásticas

A indústria Lumijor, fabricante de derivados de pão e farinha, informou que as embalagens de seus produtos usarão a tecnologia britânica d2w que faz com que o plástico se biodegrade em biomassa e água em um ambiente aberto muito mais rápido do que em condições normais evitando a persistente contaminação.

Essa iniciativa, a primeira do tipo assumida por uma empresa do setor de farinha, foi lançada na terça-feira durante um tour pelas instalações da planta industrial do fabricante de embalagens plásticas Ayax, localizado na extensão 27 Avenue February, do município de Santo Domingo Oeste.

Presentes estavam Luis Álvarez e Luis Carlos Álvarez, presidente e gerente geral da Lumijor produtora de derivados de pão e farinha; Manuel Lorenzo Viyella, gerente geral da Multigestiones Ayax; Chris Campbell, embaixador britânico no país e Fernando González Nicolás, representante no país da Symphony Environmental, empresa britânica que inventou o aditivo chamado d2w.

image001 (2)

O presidente da Lumijor, Luis Álvarez, explicou que sua empresa quer estar na vanguarda da proteção ambiental na República Dominicana, motivo pelo qual decidiu biodegradar suas embalagens de plástico com a tecnologia mais avançada do mundo.

Por sua parte, o gerente geral da Multigestiones Ayax, Manuel Lorenzo Viyella, indicou que, como produtora de embalagens plásticas, sua empresa faz todo o possível por mais de 10 anos para que esses materiais não afetem o meio ambiente e que a empresa que dirige emprega essa tecnologia obtendo a certificação pela segunda vez para criar plásticos biodegradáveis, desta vez com os aditivos d2w da empresa Symphony Environmental.

Enquanto o representante da Symphony, Fernando González Nicolás, destacou que a tecnologia de biodegradação é usada de maneira confiável em mais de 100 países por sua eficácia nas embalagens de plástico que não chegam até os sistemas de coleta e que necessariamente precisam ser degradados por si só, ou então permanecerão por séculos em solos, rios e mares.

Ele concluiu dizendo que as embalagens biodegradáveis podem ser recicladas e coletadas antes de serem biodegradadas.

Por fim, Chris Campbell, embaixador britânico no país, expressou satisfação pelo fato de uma empresa dominicana usar a tecnologia daquele país para reduzir a poluição por plástico na República Dominicana.

 

Fonte: El Día

Tradução livre da versão em espanhol