Esverdeando o nosso caminho para a infecções – A proibição de sacolas plásticas de supermercado é insalubre – e ocorre no pior momento possível

destaque

A pandemia de COVID-19 está dando um novo significado àquelas sacolas “sustentáveis” que políticos e ambientalistas têm estado tão ansiosos para impor ao público. Essas sacolas reutilizáveis ​​podem carregar o COVID-19 e demais vírus da gripe – e espalhar os vírus por toda a loja.

Pesquisadores alertam há anos sobre os riscos dessas sacolas espalharem doenças virais e bacterianas mortais, mas autoridades públicas ignoraram suas preocupações, determinadas a eliminar as sacolas descartáveis ​​e outros produtos plásticos, apesar de suas vantagens óbvias na redução da propagação de patógenos. No estado de Nova York, uma nova lei entrou em vigor este mês proibindo sacolas plásticas descartáveis na maioria das empresas de varejo, e nesta semana os legisladores democratas propuseram um projeto de lei que forçaria as cafeterias a aceitar copos reutilizáveis ​​dos consumidores – uma prática que o Starbucks e outras cadeias sabiamente suspenderam para evitar a propagação do vírus COVID-19.

John Flanagan, líder republicano do Senado do Estado de Nova York, criticou a nova legislação e pediu a suspensão da lei que proíbe sacolas plásticas. “A necessidade desesperada de democratas do Senado de serem ecológicos é impura/suja durante o surto de corona vírus”, disse na terça-feira, mas até agora ele tem sido uma voz solitária entre autoridades públicas.

O vírus COVID-19 é apenas um dos muitos patógenos que os compradores podem espalhar, a menos que lavem as sacolas reutilizáveis regularmente, o que poucas pessoas se preocupam em fazer. Vírus e bactérias podem sobreviver nestas sacolas por até nove dias, de acordo com um estudo de corona vírus.

O risco de disseminação de vírus foi claramente demonstrado em um estudo de 2018, publicado no Journal of Environmental Health. Os pesquisadores, liderados por Ryan Sinclair, da Loma Linda University School of Public Health, enviaram compradores para três supermercados da Califórnia carregando sacolas plásticas de polipropileno que haviam sido pulverizadas com um substituto inofensivo de um vírus.

Depois que os compradores compraram mantimentos e saíram, os pesquisadores encontraram vestígios suficientemente altos deste vírus substituto arriscando a transmissão nas mãos dos compradores e balconistas, bem como em muitas superfícies tocadas pelos compradores, incluindo alimentos embalados, produtos não embalados, carrinhos, caixas e telas sensíveis ao toque usadas para pagamento das compras. Os pesquisadores disseram que os resultados justificaram a adaptação de “higiene das mãos na loja” e “desinfecção de superfícies” pelos comerciantes, e também recomendaram educar os compradores para lavar suas sacolas.

Um estudo anterior de supermercados no Arizona e na Califórnia, encontrou um grande número de bactérias em quase todas as sacolas reutilizáveis ​​- e nenhuma contaminação em nenhuma das sacolas plásticas descartáveis novas. Quando uma sacola com suco de carne era armazenada no porta-malas de um carro, em duas horas o número de bactérias se multiplicava dez vezes.

Os pesquisadores também descobriram que a grande maioria dos compradores nunca seguiu o conselho de lavar suas sacolas. Um dos pesquisadores, Charles Gerba, da Universidade do Arizona, disse que as descobertas “sugerem uma séria ameaça à saúde pública”, principalmente de bactérias coliformes fecais, encontradas em metade das sacolas. Essas bactérias e outros patógenos podem ser transferidos da carne crua na sacola e também de outras fontes. Um surto de gastroenterite viral em um time de futebol feminino do Oregon foi atribuído a uma sacola de compras reutilizável que estava no chão de um banheiro de hotel.

Em um estudo de 2012, os pesquisadores analisaram os efeitos da proibição de sacolas plásticas de uso único em São Francisco, comparando as internações em pronto-socorro na cidade com as de municípios próximos sem a proibição de sacolas. Os pesquisadores, Jonathan Klick, da Universidade da Pensilvânia e Joshua Wright, da Universidade George Mason, relataram um aumento de 25% nas doenças e mortes relacionadas a bactérias em San Francisco em relação aos outros municípios. O Departamento de Saúde Pública da cidade contestou as descobertas e a metodologia, mas reconheceu que “a ideia de que o uso generalizado de sacolas reutilizáveis ​​pode causar infecções gastrointestinais se não forem limpas regularmente é plausível”.

As autoridades estaduais de Nova York foram informadas desse risco antes de aprovarem a lei que proíbe sacolas plásticas. De fato, como relatou o site de política do condado de Kings, um ativista do Brooklyn, Allen Moses, alertou que os compradores da cidade de Nova York poderiam ser particularmente vulneráveis ​​porque costumam colocar suas sacolas no chão do metrô, contendo bactérias potencialmente mortais vindas de ratos – e então colocam a bolsa no balcão do caixa do supermercado. No entanto, as autoridades públicas continuaram comprometidas com as sacolas reutilizáveis.

Uma manchete no site do Departamento de Saúde de Nova York chama as sacolas de supermercado reutilizáveis ​​de uma “escolha inteligente” – conselho bizarro, considerando todas as precauções elaboradas embaixo dessa manchete. O departamento aconselha os compradores a separar diferentes alimentos em sacolas diferentes; empacotar carne, peixe e aves em pequenos sacos plásticos descartáveis ​​dentro de suas sacolas; lavar e secar suas sacolas com cuidado; guardar as sacolas em local fresco e seco; e nunca reutilizar as sacolas de compras para nada além de comida.

Como isso poderia ser uma “escolha inteligente” para a saúde pública? Qualquer pessoa que tenha estudado o comportamento do consumidor sabe que é irremediavelmente irreal esperar que as pessoas sigam todas essas etapas. Se o Departamento de Saúde realmente priorizasse a saúde pública, reconheceria o que os fabricantes de alimentos e mercados sabem há décadas: o plástico descartável é a maneira mais barata, simples e segura de prevenir doenças transmitidas por alimentos.

Em vez disso, os líderes de Nova York e de outros estados estão ordenando que os compradores façam uma escolha mais cara, inconveniente e arriscada – tudo para servir uma agenda verde que é realmente prejudicial ao meio ambiente. A proibição de sacolas plásticas significará mais lixo em aterros sanitários (porque as sacolas de papel ocupam muito mais espaço do que as finas sacolas descartáveis) e mais emissões de efeito estufa (devido às maiores pegadas de carbono das sacolas de reposição). E agora, provavelmente, também significará mais pessoas com COVID-19 e outras doenças.

John Tierney é editor colaborador do City Journal e colunista colaborador de ciência do New York Times.

 

Fonte: City-Journal